O dia em que entrevistamos Mãe Dinah (2005)

No último dia 2 de março completou 25 anos do acidente que vitimou a banda “Mamonas Assassinas”. A queda de avião, ocorrida naquela madrugada de sábado para domingo (2 de março de 1996), calou a promissora banda que misturava ritmos musicais diversos com humor e besteirol.

O acidente chocou o país e tornou conhecida uma vidente de São Paulo que havia publicado previsão sobre o acontecido em jornais no final de 1995. Seu nome era:

Mãe Dinah

Nascida em 5 de dezembro de 1930 no bairro do Paraíso, em São Paulo, Mãe Dinah era descendente de Italianos, Portugueses e Índios. Batizada com o nome de Benedicta Finazza, Dinah descobriu o dom da vidência ainda na infância.

Nesta matéria gravada pela Art Haus TV em 2005, Mãe Dinah explicou seu processo de vidência, sua história e sua visão de mundo.

Mãe Dinah faleceu em 3 de Maio de 2014, em São Paulo, vitima de falência multipla dos orgãos.

Das previsões ditas na matéria

Mãe Dinah comentou sobre algumas previsões recentes, à epoca, as quais estão comentadas abaixo:

Casamento do Ronaldo:

O jogador Ronaldo Nazário (Ronaldo Fenômeno/Ronaldinho) casou-se com a modelo Daniela Cicarelli em fevereiro de 2005. A festa de casamento foi marcada pela polêmica expulsão da modelo Caroline Bittencourt (1981-2019), que acompanhava o empresário Alvaro Garnero no evento.

Em maio do mesmo ano Daniela e Ronaldo anunciaram o divórcio.

Falecimentos de famosos

Mãe Dinah citou nominalmente, depois da gravação, a morte da atriz Zilka Salaberry (falecida em 10 de março de 2005, cerca de 5 dias antes da gravação). Outra atriz que morreu no mesmo ano foi Rose Rondelli (1 de janeiro de 2005).

O cantor citado, ao qual a vidente não lembrou o nome, foi Bezerra da Silva (morto em 17 de Janeiro de 2005).

O jogador que morreu do coração foi Serginho (Paulo Sérgio Oliveira da Silva), do São Caetano. O atleta teve um mal súbito em partida do campeonato brasileiro no dia 27 de outubro de 2004 e faleceu no hospital 1 hora depois do incidente.

Na gravação ela cita depoimentos dados ao programa de Tv do Leão Lobo e ao programa do Antonio Carlos (Rádio Globo AM/SP – apesar da gravação dar a entender que seria programa da TV Globo).

Situação do país só melhoraria em 2015

Tudo bem que é fácil analisar a realidade do país 16 anos após a gravação da entrevista ou 5 anos da data na qual ela cita que o país irá melhorar. Mas o que vimos, a partir de 2015, foi justamente o oposto. O país entrou em crise econômica e política desde então e piorou muito, se comparado com a realidade de 2005.

Bastidores da materia:

No período de 14 a 20 de março de 2005 o Estância Alto da Serra foi sede da primeira edição das Feira das Terapias Naturais.  Uma das principais atrações era justamente a presença da Mãe Dinah, que poderia atender presencialmente os frequentadores do eventos.

A equipe da Art Haus TV foi convidada pela assessoria de comunicação do Estância Alto da Serra. Na época háviamos lançado há 5 meses o portal Art Haus, no qual haviam 4 colunistas de viés esotérico.  Estive com uma das colunistas (Maria Gold, atualmente no portal Terra) na abertura do evento.

Alguns dias depois retornei com um dos meus sócios e com outro integrante da equipe para gravarmos dois programas: o “Espaço Esotérico” (que criamos na Tv aproveitando o público que tinhamos no portal) e o “Programa do Japa”, que tinha como formato explorar os assuntos de maneira mais leve, explorando a curiosidade do evento.

A matéria foi uma das últimas a serem gravadas naquele dia. Aproveitamos um momento no qual Mãe Dinah estava sem ninguém no stand: nos identificamos e ela foi muito generosa em nos ceder seu depoimento.

Ela errou algumas previsões, é verdade. Inclusive uma em relação a sociedade que mantinha a Art Haus (encerrada cerca de 3 meses após essa gravação), mas foi uma gravação que valeu pelo registro histórico. A própria vidente brincou posteriormente sobre seus erros em previsões. 

Uma última curiosidade: por ser a matéria gravada no evento que poderia gerar maior interesse público, optamos em publicá-la após as demais gravações (o programa era quinzenal). No entanto o fim da sociedade fez com que a matéria fosse editada sem as perguntas e sem qualquer referência à Art Haus, visto que ela foi publicada no penultimo dia da Art Haus TV (2003-2005) e só teria repercussão já sob existência da Ultra TV (2005-2010).